Doenças Periodontais: Diagnóstico e Tratamento

As doenças periodontais são doenças inflamatórias que afetam os tecidos que suportam e envolvem os dentes – o osso, a gengiva e o ligamento periodontal. Dentro deste grupo existem duas categorias principais: a gengivite e a periodontite.

GENGIVITE

A gengivite é uma inflamação da gengiva causada pelas bactérias que formam a placa bacteriana. Devido a este processo inflamatório a gengiva torna-se avermelhada, edemaciada (inchada) e em muitos casos ocorre sangramento espontâneo ou durante a escovagem dos dentes. O sangramento é, frequentemente, o primeiro sintoma a manifestar-se nas doenças gengivais.

Esta situação é facilmente tratada e reversível se forem tomadas medidas regulares e eficazes de higiene oral, existindo recuperação total dos tecidos.

PERIODONTITE

No caso de uma gengivite não ser adequadamente tratada pode evoluir para uma forma mais grave designada por periodontite, situação crónica e irreversível.

Na periodontite há destruição dos tecidos que suportam os dentes. Este fenómeno leva à reabsorção do osso circundante e à formação de bolsas que dificultam a correta eliminação da placa bacteriana e potenciam a inflamação, destruição óssea, mau hálito, hipersensibilidade e retração gengival. Esta doença, se não for devidamente controlada e tratada pode levar à perda dos dentes.

Embora existam métodos para impedir o evolução da doença, não é possível na grande maioria dos casos, a sua cura, isto é, a recuperação total dos tecidos perdidos. Tratando-se de uma doença crónica e assintomática (quase sempre sem dor) são imprescindíveis as visitas regulares ao médico dentista e o cumprimento dos planos de tratamento propostos, sob pena de a doença poder vir a reativar-se.


A principal causa de gengivite, periodontite, tártaro, cáries e mau hálito é a placa bacteriana. A placa bacteriana é uma massa densa praticamente invisível, pegajosa e não calcificada que adere aos dentes e ao sulco gengival, sendo constituída por restos de alimentos e bactérias.

Quando não devidamente removida a placa bacteriana pode calcificar e formar o tártaro. Este adere fortemente aos dentes e, ao tornar-se rugoso, permite que mais bacterias adiram à superfície dos dentes. Com o passar do tempo, o tártaro engrossa, escurece e apenas pode ser removido por um médico dentista ou higienista.

 

Quais são os sintomas das doenças periodontais?

  • Sangramento espontâneo ou após a escovagem dentária
  • Existência de pus nas gengivas
  • Mau hálito
  • Abcessos
  • Gengivas inchadas e vermelhos
  • Retração gengival
  • Mobilidade dentária
  • Alteração da posição dos dentes
O diagnóstico das doenças periodontais apenas pode ser realizado por um médico dentista. Assim, se apresentar algum dos sinais referidos recomendamos que consulte a nossa clínica para que possa ser corretamente avaliado e diagnosticado.

Embora sejam mais frequentes em pacientes com idades superiores a 30 anos, as doenças periodontais podem manifestar-se antes dessa idade. Quando ocorrem em crianças ou adolescentes são normalmente formas mais graves da doença, afetando negativamente a sua saúde oral/geral.

Estas doenças apenas se desenvolvem quando exista placa bacteriana, contudo, a gravidade dos danos depende da suscetibilidade de cada indivíduo, característica esta que está dependente do controlo genético. Sendo a genética um componente que não pode ser modificado é importante e imperativo o controlo correto e eficaz da placa bacteriana como forma preventiva destas doenças inflamatórias.

Para além das bactérias, existe outros fatores que precipitam/agravam as doenças periodontais como:

  • Tabaco
  • Ingestão de muitos açúcares na dieta
  • Consumo excessivo de álcool
  • Stress
  • Diabetes não controlada
  • Doenças cardiovasculares
  • Alteração hormonais
  • Osteoporose
  • Fatores genéticos

Tratamento das doenças periodontais

O tratamento visa não só a eliminação da causa destas patologias, como também o controlo dos fatores que agravam esta situação de modo a criar condições para que a doença possa ser devidamente controlada ao longo do tempo.

Deste modo, nas gengivites, o controlo correto e eficaz da placa bacteriana, quer pela escovagem diária após as refeições, quer pela passagem do fio dentário uma vez por dia, e de consultas regulares no dentista com a realização de profilaxia (no mínimo 2 vezes por ano) é suficiente para controlar e cessar esta patologia.

Já no caso da periodontite o controlo é feito sequencialmente e passa por diversas fases entre as quais se destacam o estudo periodontal (Periodontograma) e análise radiográfica, definição de um plano de tratamento adequado, controlo mecânico e químico da placa bacteriana, raspagem e alisamento radicular e eventualmente procedimentos cirúrgicos corretivos.